Sobre a FFLCH – Débora Shinohara

Posted on 28/10/2011 por

0


Fonte: blog SARRABADEL VI O MUNDO |

“Oi, pessoal do Viomundo. Tudo bom? Mais uma vez, a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP é atacada pelos setores mais retrógrados da nossa sociedade. Por isso, gostaria de pedir que divulguem esse belo texto escrito pela aluna de letras Débora Shinohara, onde a mesma faz uma defesa emocionada da diversidade e riqueza de nossa querida “FAVELECH”, traduzindo o sentimento de muitos que ali estudam e que por ali passaram. É importante que as vozes dissonantes do discurso “ordeiro” encontrem apoio e espaço em meio aos raros espaços progressistas que ainda sobrevivem em nossa imprensa. Abraço. Pedro Ramos de Toledo”

————————————————————————————————————————————————————————————————————————————-

Às vezes eu fico de saco cheio de ir pra USP. Muitas vezes falto nas aulas. Não sei quantas vezes já amaldiçoei as pessoas da Letras e da FFLCH. A diferença é que as pessoas da minha faculdade que eu não suporto não são as mesmas que os “homens de bem” não aguentam; e aqui digo com o maior orgulho: nunca vou me enunciar como uma “cidadã de bem”.

 Não me incomodo com os maconheiros. Eles ficam no canto deles, não enchem o saco de ninguém. Não, pais de família, eles não vão oferecer maconha pro seu filho. Eles não vão corromper seu pupilo.

 Não me incomodo com os participantes do movimento estudantil, e, muito timidamente, é bem verdade, apoio-os. Em todos os meus anos de FFLCH, nunca vi uma decisão de greve ser desnecessária. Além disso, só se decide por greve quando não há mais opções. E disso vocês não sabem, “homens de bem”, porque vocês não comparecem às suas assembleias e nem conhecem seus Centros Acadêmicos.

 Não me incomodo com os funcionários grevistas, bastante concentrados no nosso prédio.  Não me incomodo com Brandão, com Tia das greves, com qualquer “baderneiro” que possa aparecer. Só quem participa de greves sabe como é penoso e cansativo o processo.

Não me incomodo em ficar sem bandejão, biblioteca e circular quando há greves. Porque isso é bônus pra mim, classe média. Se algum amigo que realmente (e pensem no significado de realmente) necessitasse deles fosse contra, talvez repensasse minha postura. Mas quem fica contra são aqueles que têm condições de comer na lanchonete de sua própria unidade, que nem circular usam, que têm condições de comprar/ xerocar livros.

Não me incomodo com o DCE (Diretório Central dos Estudantes) e com o CAELL (Centro Acadêmico). Posso divergir de algumas opiniões de seus membros, da linha seguida por uma gestão, mas reconheço que nada é mais importante do que estas entidades estudantis.

Aliás, não me incomodo com grupos de minoria lutando por seus direitos. Feministas, negros, homossexuais, todos têm espaço no nosso prédio. Claro que sempre tem os Monteirinhos Lobatos falando que são feminazis, gaystapo e ditadura negra. Mas tudo bem, eles até suportam porque isso é como um fardo pro homem branco.

E quando eu digo “não me incomodo”, o que eu realmente quero dizer é que eu gosto muito de todos esses grupos. Todos eles constroem uma FFLCH aberta, plural. Se você entrou na FFLCH de uma maneira e está saindo do mesmo jeito, provavelmente não gosto de você. Porque inclusive quem já entrou na FFLCH politizado sabe que mudou, sabe que amadureceu. E se você acha que continua o mesmo, não aprendeu nada com a FFLCH, e você me incomoda.

Também muito me incomoda quem encara a FFLCH como escola de línguas, e ainda acha ruim professor ser politizado. Quem chora porque atravessou a cidade e o professor não foi, e nem teve a consideração de mandar um aviso dizendo que estava doente. Quem diz que prefere a UNIP à USP por causa das greves (conselho: vá em frente!). Quem diz que seus anos de Letras foram um desperdício. Quem diz que os esquerdinhas acabam com a fama da FFLCH (embora ela seja superreconhecida pela pesquisa – e vamos nos lembrar que grande parte dos professores é de esquerda). Quem reclama dos grupos de encontro das minorias, porque isso já é assunto superado. Quem diz que tudo bem protestar, mas não vale fazer greve. Quem reclama da greve, mas se beneficia de bolsas de estudos e contratações de professores.

Se essa é a FFLCH que vocês construíram como sua, é bem feito que vocês sejam chamados de maconheiros, vagabundos e esquerdopatas, porque vocês merecem. Agora, se a sua FFLCH lhe fez amadurecer, desenvolver posições políticas, conhecer outras realidades e apoiar pessoas que ou não fazem mal a ninguém, ou lutam pelo direito de todos, a sua FFLCH é a minha e a gente se orgulha muito dela.

Débora Shinohara é estudante de Letras na FFLCH USP

Originalmente publicado no blog SARRABADEL, em 28 de outubro de 2011
Acesso via  VI O MUNDO, publicado com o título “Os maconheiros não enchem o saco de ninguém”, em 31 de outubro de 2011

Anúncios
Posted in: Texto